“Célebro”

Se eu pudesse, refaria a nossa linguagem. Escreveria “cérebro” com um “L” mesmo. Célebro! E justificaria etimologicamente, afirmando que a palavra “célebre” compartilha da mesma