Amor, te dei unfollow.

Arista Plástico, Ilustrador e Bacharel em Filosofia | www.errado.net





Amanhã meu feed nascerá sem tua lembrança. Tua única imagem presente  será a de ausência. Sendo ausência, tua lembrança será uma triste presença em minha memória. Mas farei uma benção de minha ignorância.

Não receberás mais de mim nenhum like. Não que eu tenha deixado de gostar, mas espero assim que sintas falta deles. Se é que alguma vez tenhas considerado a minha opinião. Ela ainda era sincera, mesmo que automatizada num clicar de um emoticon. Era de coração.

Não seguirei mais tuas histórias, pois sei que lá no fundo nunca fiz parte de nenhuma delas. Talvez de algumas poucas, como um figurante em pano de fundo. O rapaz tímido no palco, num papel de árvore.

Tuas selfies não receberão mais meu icônico afeto. O coração do menu de reações ficará como o meu próprio, inutilizado. Esquecido.

Aquelas lembranças que compartilhastes, as quais nunca me pertenceram também, não mais me atormentarão. Não mais comentarão em minha consciência a distância que mantinhas de mim.

De certa forma, existir é estar presente. Você está sempre lá, mas nunca aqui.

Amanhã vou procurar outro afeto para seguir.