O Cronista

De tanto escrever sobre amor, acreditava-se que ele fora um grande amante. Fazia das palavras degraus que alcançavam a alma. Caracteres tocavam o coração de

Herança

Talvez fosse apenas o frio, esse vento gelado tocando-lhe o rosto descoberto, como uma lâmina muito fina, desenhando linhas de sangue em suas bochechas. Talvez.

“Célebro”

Se eu pudesse, refaria a nossa linguagem. Escreveria “cérebro” com um “L” mesmo. Célebro! E justificaria etimologicamente, afirmando que a palavra “célebre” compartilha da mesma

Oceano

Sempre mergulhava de cabeça. Principalmente em mares desconhecidos. Me deixava seduzir pela beleza das praias, pelo encanto de suas águas, principalmente quando elas pareciam serenas.