EH, ANO NOVO!!!!!

Jornalista


Na vida, nem sempre quem está fudido, pode se achar completamente fudido. Virada de ano, cheia de dívidas, eu sozinha, saindo de uma festa de réveillon sem ninguém. Ligo o som alto, curto uma música que toca no rádio, aumento o volume no máximo. Quero que o mundo inteiro se acabe. Dirijo devagar, bebi demais, de vez em quando fecho um olho para firmar as faixas que não param de danças na minha frente. Tudo vai bem até que uma luz vermelha e azul começa a piscar no meu retrovisor. É A POLÍCIA. FODEU! Respiro fundo, baixo o volume do rádio, pego rápido um Halls, coloco uns três na boca e mastigo logo. Em poucos segundos um Policial aparece na minha porta e pede para eu descer do carro. Penso em jogar um charme para ele mas posso me entregar, afinal, bebi, melhor não falar nada. Ele pede meus documentos, o documento do carro, pergunta de onde vim, desejo um feliz ano novo e ele responde obrigado. “O som de seu carro estava com o volume excessivamente alto, a senhora será multada por perturbação ao silêncio”. Penso em argumentar, dizer que não tem ninguém na cidade, que estou fudida, cheia de dívidas, mas pelo tanto que bebi, melhor ficar quieta. Melhor uma multa pequena que perder a carteira. Depois de preencher o bloquinho de multas, ele anda até o porta-mas lê pede para abri-lo. Com o dedo indicador pressiona o pneu, e constata que ele está completamente vazio. “Senhora, seu Estepe está fora de condições de uso, vou precisar multar a senhora por isso também”. Porra, mais uma multa, esse cara tá querendo alguma coisa em troca. Ele desrosqueia o parafuso que prende o pneu da lataria, tira para fora e fuça no macaco do carro. “Não estou localizando a chave de fenda. A senhora pode verificar se há uma no porta-luvas do automóvel?”, Chave de fenda! Penso eu! Quem é que precisa disso dentro do carro. De qualquer forma não discuto, rezo para que tenha uma no porta-luvas do carro. Ando até lá, sem tropeçar para não me entregar. Sento no banco e começo a retirar tudo o que tem ali dentro. Maquiagem, cd, caneta, caderno, lenço, bíblia, manual do carro, cortador de unhas, meias, Meias? O que essas meias estão fazendo aqui. Há séculos não abro essa porta. Tem de tudo ali, menos a porcaria de uma chave de fendas. Fico sentada, como mais umas balas Halls, esperando que ele termine logo a inspeção e que eu possa ir embora para casa. Com a Lanterna ele corre pelos pneus do carro, se abaixa, e passa a mão. Saio do carro e ele, se levantando diz sem dó. “Senhora, os pneus do seu carro estão carecas e o arame está aparente, vou ter que lhe aplicar mais uma multa? Encontrou a chave de fendas?” O que mais uma multa, já são duas, três, até perdi as contas. “Não encontrei a chave de fendas seu Policial, vou levar mais uma multa por causa disso?” “Infelizmente senhora, é a Lei, não posso fazer nada”, “Mas seu guarda…” ele me interrompe, “Policial senhora”. “Me desculpe, Seu policia”… olho o nome dele no peito, “Oliveira, veja bem, estou saindo de uma festa de réveillon, estou sozinha, indo para casa, estou triste, por que não alivia minha barra, não vou ter dinheiro para pagar essas multas, seu Oliveira”. “A senhora estava numa festa, por acaso andou bebendo?” “Não, só tomei um gole de champangne para brindar mas não bebi mais que isso”, vejo que ele não acreditou, logo anda mais uns passos e volta para a porta do motorista, abre, abaixa com a lanterna e pega o extintor. “A senhora sabia que esse extintor não é mais permitido, que precisaria de um do modelo ABC?” “Não”, começo a chorar enquanto ele marca mais uma infração. “Porra seu policial, que é isso, mais uma multa, Porra meu! Que é isso?” “Senhora, por favor, sua voz está ficando alterada, peço que se acalme enquanto termino a vistoria do seu veículo”. “Me acalmar, como me acalmar, saio de uma festa de Final de Ano e saio com as mãos abanando, já faz tempo que eu não sei o que é um homem de verdade. Minha única alegria é quando sai o meu salário que posso torrar tudo em shopping e em bebida. Vivo bêbada, lá no meu trabalho ninguém me dá valor, e agora vem você, com essa farda de MERDA, para dizer que eu ainda tenho que pagar esse monte de multas? Extintor ABC, Que merda é essa?” Pronto, está feita a burrada. “Senhora, entendo sua frustração, no entanto, peço que se acalme e repito, a senhora bebeu alguma coisa hoje?” Ah, bebi sim, enchi a cara naquela festa de merda. E o que vai fazer agora, vai me prender, vai, só por que está com essa arma aí na cintura. É, por que tem essa arma…” Perdi a noção, começo a passar a mão no peito do policial “… que é heim, tem pau pequeno tem…” “A senhora está presa por desacato de autoridade, embriaguez ao volante e condução perigosa!” Choro copiosamente, agora é tarde. Vou passar o resto do dia primeiro de Janeiro na delegacia. O Ano começou 2015 começou Fudido! Elaiá!