Ensaio sobre a TUA MÃE!

Jornalista, cronista e blogueiro


Caro leitor. Convido para continuar nesta página e ler este texto até o fim. Fique tranquilo, não irei lhe ofender nesta crônica, tampouco vossa progenitora. Este é sim, um ensaio sobre a tua mãe, mas quero aqui refletir sobre as presenças delas no linguajar do nosso dia-dia e não sobre as pessoas em si.

Comecei a refletir sobre a tua mãe em meados de 2004. Nas salas de aula do curso de jornalismo da Univali, cercado de tijolinhos a vista, acompanha o arremesso de bolas de papel pesadas e outros objetos similares na direção de outros alunos. Sempre que um jogava, o atingido respondia:

– Joga a tua mãe!

Mas por que a mãe? Porque a figura mais emblemática das famílias era sempre envolvida. Era um derivado de “filho da puta”, o mais clássico dos xingamentos, mas porque xingar elas? Por que não, a irmã, a namorada?

Um outro aluno, não arremessador de bolas de papel, tampouco alvo, refletia sobre o assunto e tinha uma tese. Para ele, mencionar a mãe é a melhor forma de xingar uma pessoa, pois atinge a todos. Alguns não têm irmã, outros não têm namorada, uns sentem ofendidos se forem xingados diretamente. Mas mãe todos têm, e ninguém gosta de ter colocar a mãe no meio. Até aqueles que não conhecerem suas mães também se sentem ofendidos.

O cronista Gregório Duvivier, na Folha de São Paulo, lembrou que os xingamentos sempre envolvem as mulheres, sempre as depreciam. Quando não é a mãe chamada de puta, o sujeito é chamado de corno, ou seja, disse que a esposa é adúltera. Mas o “corno” e o “galhudo” são muito menos usados que o filho da puta, ou seja, xingar a mãe é mais forte que xingar a mulher do sujeito.

E quando um sujeito menciona a mãe do próximo, a resposta, normalmente vem com a mesma moeda. O mais clássico é afirmar que “não mete minha mãe no meio que eu meto no meio da tua”.

Já pensou se os pais fossem os alvos? Imagina numa briga de bar, um sujeito, agressivo dizendo para o outro?

– Vai procurar o teu pai na zona!

– Pô! Meu pai ia na zona. Aliás, ele me levou lá quando eu tinha 15 anos…

– Ei, o meu também!

Viu? Acabou a briga. Ninguém imagina que o seu pai esteja num bordel se prostituindo. Ninguém gritaria “joga o teu pai”, também. Ficaria tão estranho, que a discussão também acabaria.

A tua mãe é, de fato, o xingamento mais fácil que existe. Na verdade, uma saída para aqueles que não possuem criatividade. Eles apelam para o básico, para o óbvio, para o mainstream. A arte do insulto é para poucos. De você gosta de xingar com classe, não use a tua mãe!

Poderia fazer também, um ensaio sobre o teu c#, outra forma fácil de ofender alguém. Mas vou parar por aqui antes que algum leitor dê uma de Olavo de Carvalho e resolva unir os dois xingamentos…..