Existência

r028_existencia

Despertenço-me, por não me permitir
preceder minha própria existência.
Desconheço-me assim, ao assistir
a fútil corrente de obsolescência.

Desfaço-me improvável na turba,
insignificando a vã autenticidade
de uma crença que não perturba
ao clamar um pouco de piedade.

E nós nos movemos invisíveis,
num caminho já muito desgastado
por essas criaturas insensíveis
que a cada rótulo têm nos criado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.