Nanquim

r013_nanquim

Há um vazio entre as páginas daquele longo poema.
Na falta de palavras ficamos sem ação.
Largamos a pena sobre a mesa.
Deixamos a tinta borrar o espaço.

Na incompreensão da aleatoriedade das manchas,
permitimos o sentido se perder na ausência e no erro
E como num jogo de ligar os pontos,
a percepção cria na mente as linhas ausentes.

Busca a todo custo um sentido numa imagem.
Uma resposta que justifique
a incompetência da linguagem
em expressar o que nunca foi dito.

Mas a verdade não estava no espaço,
nem no caos da tinta derramada.
O vazio estava em tua vontade
de pelo menos tentar virar a página.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.