O CLÃ DA ÁRVORE – PARTE 2 DE 4

Jornalista





CAPITULO I

OS CINCO FUNDAMENTOS DO CLÃ DA ÁRVORE

Verdade
Filosofia
Utopia
Consciência
Questionamento

O Clã da Árvore acredita que para proporcionar a revolução é necessário começar provocando o QUESTIONAMENTO em cada cidadão ou não cidadão da sociedade. Da mesma forma que o Comunismo de Karl Marx e Friedrich Engels propunha, buscamos iniciar nossa revolução pela massa proletária.
Porém, para criar o sentimento de questionamento dentro de cada pessoa é necessário buscar ferramentas não convencionais e achar dentro da sociedade lugares onde elas se desliguem de todo o complexo sistema de vida que levam.
Proporcionando o questionamento entre as pessoas, e que se pense em questionamentos simples, poderemos criar nelas um princípio de CONSCIÊNCIA. O questionar leva a pessoa a agir com razão. Agindo com razão ela consegue ver exactamente o que está fazendo. Consegue tomar suas decisões sem influências do sistema, sem ser uma marionete.
Consciente, ela consegue ver o mundo de uma outra forma. Analisa as informações que são vomitadas dia a dia pelas emissoras de televisão, revistas, jornais, e avalia o seu real estado dentro da sociedade. Sempre questionando as informações, porém, não sendo um niilista, muito menos um cético que não acredita em nada.
É desta forma que se encaixa o terceiro fundamento do Clã da Árvore, a UTOPIA. Nascendo dentro de cada um a vontade de ter um mundo diferente e sabendo que pode proporcionar aos outros uma melhor visão da vida, certamente esta pessoa vai criar em si uma utopia, terá a vontade de revolucionar o mundo, de mudar as coisas e de arrumar a sociedade.
Avaliamos que este seja um dos principais erros de algumas revoluções populares que não conseguiram prosperar, embora tenham deixado valiosas lições para nós. O que vem acima da UTOPIA?
Se utopia é um sonho inalcançável, então por que devemos buscá-lo se de antemão já o sabemos impossível?
O Clã da Árvore propõe uma FILOSOFIA para que possamos tornar esta nossa Utopia em uma VERDADE.
Buscamos conhecer o passado para desta forma entender o que aconteceu com os grandes revolucionários, e o mais importante, buscamos conhecer os nossos inimigos para que possamos trabalhar dentro deles como toupeiras e assim atingir a base de sua edificação sem ser notado.
Para que os cinco Fundamentos do Clã da Árvore sejam atingidos, é preciso que sejamos invisíveis. Nossos trabalhos não devem apenas se fechar dentro do próprio Clã. Todas as nossas ideologias e nossos fundamentos devem ser aplicados fora do Clã em trabalhos que revelem todos os nossos pensamentos e que ao mesmo tempo crie nas ferramentas para que elas mesmas possam começar sua revolução pessoal.