T_ëmer ou T_emër

Jornalista


“Nesse filme, todos são Vilões! Há os vilões mais poderosos, os vilões mais ingênuos, os vilões de massa de manobra, os vilões disfarçados de bons mocinhos, os vilões justiceiros, os vilões ignorantes, os vilões inteligentes, todos os tipos de vilões. Há também os vilões que apresentam a esperança e os vilões que elegem os vilões poderosos para governá-los. No fim das contas _nessa história_ são todos Humanos”.

Capítulo 1

Não há o que Temër, disse o PMDB ao PT quando as primeiras investigações da Lava Jato prenderam o ex-deputado Federal do PT depois de ele viajar no jatinho particular de um tal Doleiro.

Na verdade havia sim, e o que havia de Temër se mostrou nas cenas futuras em que os textões e audiões vazaram com o drama de quem _querendo parecer um coitado_ na verdade já havia devorado mais da metade da carniça do PT e agora curtia uma digestão lenta e saborosa.

O problema é que com o Tëmer, esqueceram de Temër o Neto do Tancredo. E esqueceram também de Temër o Pai do Real. Ao longo de uma década e meia o PSDB envenenou o PT numa oposição de vitrine deixando que o articulista Pai dos Trabalhadores contratasse o Esquadrão Mercenário para governar. Claro, ele Governou! Mas sua sucessora não!

Com a crise os Mercenários perderam a referência de liderança _e com a ameaça vinda da República de Curitiba e a ineficiência da versão feminina do Pai dos Trabalhadores em garantir segurança ao seu próprio exército_ começaram uma revolução.

Surgiram então os Líderes Revolucionários dos Mercenários sedentos de poder. Um presidente de uma Câmara aqui, um Vice presidente alí. Como Topeiras, cavaram túneis subterrâneos ao longo de mais de um ano procurando sempre um novo Norte. Foram orientados por quem não Temïam! Foram longe demais rumo ao norte.

“Enquanto isso, num Universo Paralelo”

O Neto do Tancredo e o Pai do Real cumpriram sua missão. Como guardiões de um plano maior orientaram e deram coragem para que os mercenários buscassem a revolução. Envenenaram suas mentes com promessas de que com os Vermelhos fora do Poder seriam eles, os Líderes da Revolução que colocariam o país no rumo do crescimento> Prometeram que a grande vitória seria conquistada e que eles seriam então a imagem da pureza desse país e a nova cara da esperança política.

“De volta ao mundo Real”

O PMDB realmente achou que não havia o que Temër. Acreditou que sua longa jornada como coadjuvante teria chego ao fim. Na verdade chegou. Conquistaram o papel de protagonistas e em pouco tempo terão mesmo acesso à tão desejada faixa de presidente, mas só agora se dão conta de que caíram numa armadilha.

Tëmer começa a Temër que tudo o que lhe foi prometido agora não será cumprido. Homens de peso da Economia já começam a dizer Não para o novo futuro presidente. O PMDB ficou cego quando rompeu a última barreira do Solo que lhes dava a proteção contra o Sol e só agora percebe que quem articulou tudo foi o PSDB. O PMDB não conseguirá governar o país. Será outro PT e ainda terá a opinião pública querendo suas cabeças.

Tudo está acertado. Os maiores nomes da Economia e os maiores especialistas já estão convidados para o novo governo. O ano de 2018 será o ano da grande vitória da Direita. O PMDB será sacrificado junto com o PT.

Paralelo, correm os Mercenários acreditando que terão suas vantagens conquistadas. “Oras, se o PMDB cair, então nos agarramos ao PSDB”. Engano! Alegre Engano!

Preocupem-se os desavisados; nesse momento há algo maior acontecendo. Esqueceram da República de Curitiba, do Super Moro e da Liga da Justiça. Os mercenários também cairão, um a um, até que se limpe todo o Congresso e que abra a casa para um Governo Limpo e Honesto governado pelo PSDB.

Em resumo, tudo está acertado. O Neto de Tancredo será o presidente do Brasil. Os corruptos serão queimados na fogueira da Justiça na República de Curitiba. O PT está morto, mas _como os grandes vilões_ será sim uma sombra sempre viva. O PMDB será extinto por um tempo mas combinações genéticas vão reativar a legenda numa ressurreição de uma anomalia.

“No fim das contas _nessa história_ somos todos humanos”!